Gustavo Franco

Debates

Luís Nassif sobre o passivo externo, e impactos cambiais de investimentos diretos, e o modo como jornalistas e acadêmicos devem dialogar

Em O passivo externo (OESP e JB, 28.05.00) argumentei que o investimento direto não deveria propriamente compor o que os tementes da vulnerabilidade externa chamam de “passivo externo”. Nassif contestou os argumentos em A Retórica do Dedão Pisado (FSP, 30.05.00). A discussão migrou um pouco para a forma do diálogo, uma vez que na substância, houve convergência, a julgar por O passivo externo: forma e conteúdo (OESP JB,04.06.00) e pela resposta de Nassif em Academicismo e Jornalismo (FSP, 07.06.00)

Voltar